segunda-feira, 19 de maio de 2008

Estatística - Dia Internacional dos Museus

Durante a Semana do Museu do Papel Moeda (de 12 a 18 de Maio) foram realizadas visitas orientadas concebidas especialmente para a comemoração do Dia Internacional dos Museus.

Ao longo da semana (de 12 a 17 de Maio) as actividades foram dirigidas para o público sénior, pessoas com necessidades especiais, comunidades imigrantes e mães adolescentes. Contamos com 225 visitantes.

No dia 18 de Maio para além de poderem visitar as duas salas de exposição permanente, os nossos visitantes puderam assistir à peça “Escuta-me” da Companhia “Era Uma Vez… Teatro”, da Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral.
Entre os 250 visitantes que vieram visitar o Museu e assistir à peça, contámos ainda com a presença da Dra. Paula Fernandes dos Santos, Secretária de Estado da Cultura, do Dr. Bairrão Oleiro, Director do Instituto dos Museus e da Conservação e do Dr. João Cottim, Provedor Municipal do Cidadão com Deficiência.

O que totaliza 475 visitantes durante toda a semana.

Obrigada pela visita!
Esperamos que tenham gostado e que voltem a visitar-nos!

Um comentário:

Anônimo disse...

Museu do Papel Moeda
Serviço da Educação

No dia 14 de Maio de 2008 fomos a uma visita de estudo ao Museu Papel Moeda, na qual nós, utentes da Comunidade de Inserção Eng. Paulo Vallada, tivemos muito gosto em ter sido recebidas.
Gostamos de ter aprendido e guardado tudo aquilo que nos ensinaram sobre gestão doméstica, pois vai fazer-nos muito jeito no dia-a-dia.
Também gostamos de ver o filme que retratava a forma de obter os produtos necessários em troca de bens. Mais tarde, foi retratado que começaram a aparecer moedas lacradas com símbolos (animais, cereais, casas…)
Para além do que mencionamos nestes parágrafos, gostamos ainda de ver a Maquete que retratava o Douro, porque achamos uma paisagem muito bonita, encantadora, paradisíaca.
Achamos interessante tirar fotografias às nossas caras na impressão das notas, para ficar como recordação da visita.
Acima de tudo, gostamos das réplicas dos documentos que se usavam antigamente, com anotações sobre a população como por exemplo: se alguém falsificasse as notas era morto, mas se alguém soubesse que havia notas falsas em circulação e denunciasse era recompensado.
Todas as notas falsas, até aquelas que deixavam de circular, eram destruídas de diversas formas, pelos bancos.
Achamos também interessante a lenda que recordava o maior burlista de Portugal “Alves dos Reis” que falsificou documentos, para poder receber dinheiro, para poder ir ao banco trocar o falso pelo verdadeiro. Acabou por ser preso e passados 20 anos foi solto, voltando depois a ser preso pelos mesmos motivos e morrendo na miséria.
Concluindo, todas nós gostamos do Museu e achamos que era muito interessante, pois muitas coisas que foram faladas neste Museu não eram do nosso conhecimento. Foi muito interessante ter aprendido a origem do dinheiro.

Agradecendo mais uma vez a oportunidade que nos foi dada,

As utentes da Comunidade de Inserção Eng. Paulo Vallada