quarta-feira, 4 de junho de 2008

O B.I. de uma nota

Observada a olho nú, sem grandes preocupações interpretativas, uma nota é apenas isso mesmo: papel-moeda. Mas uma nota não é só aquilo que se vê à primeira vista. Tudo o que está impresso tem um significado, sendo possível classificar a nota em três partes distintas: elementos principais, elementos acessórios ou complementares e fundos de segurança. Numa "viagem" pelo interior de uma nota, veja como é que um exemplar de 50 000 reis de S. Tiago (Cabo Verde) emissão "Vasco da Gama", de Março de 1909, tem, segundo António Miguel Trigueiros, investigador de numismática moderna e contemporânea, 19 "abordagens" diferentes.



Elementos principais:
1- Medalhão, moldura ou efígie: apresenta uma forma oval, circular elíptica ou de fantasia em que se inscreve uma efígie ou qualquer outro desenho representativo.
2- Letreiros: indicam normalmente a entidade emissora da nota.
3- Vinheta (escudo) e cartela com indicação de valor: a vinheta é uma pequena gravura que serve de ornamento ou ilustração; a cartela é um espaço liso destinado à inscrição de uma legenda.
4- Painel: local onde é apresentado uma alegoria ou motivo artístico que recorda a história do país e onde se reproduzem, por exemplo, quadros célebres, cartas náuticas, edifícios públicos, monumentos, cenas históricas, actividades ou recursos económicos e imagens de figuras públicas ou heróis nacionais.
5- Selo do banco: emblema ou símbolo do banco, apresentado geralmente em forma de círculo e impresso em destaque nas notas, servindo como elemento identificador da entidade emissora.
6- Cercadura: orla tarjada com desenhos de traço liso ou de fantasia que enquadra a composição gráfica da nota.
7- Denticulo: desenhos de formato cicloidal que lembram pequenos dentes e guarnecem a moldura e as tarjas laterais da cercadura.
8- Rosáceas: desenhos geométricos contínuos e fechados, circunscrevendo os algarismos de identificação numérica no valor da nota ou outros elementos principais.
9- Talão de controlo: parte que ficava em poder do banco emissor, quando as notas eram recortadas ou destacadas por picotado pelas margens; processo de verificação da autenticidade das notas feito por justaposição da nota com a parte do talão correspondente, o que só era possível quando o número de notas emitidas era pequeno.
10- Margem branca: superfície não impressa que circunscreve a gravura, com bordos de corte mecânico.
11- Tarjas: desenho geométrico de limitação da obra impressa; também se diz do traço ou conjunto de traços de cor preta que servem para apagar letreiros.
Elementos acessórios
12- Zona de assinaturas: parte inferior de uma nota, quando separada por filetes horizontais ou por um friso geométrico, com fundo de segurança diferente do da nota e sobre o qual são impressas as microchancelas.
13- Data
14- Microchancelas: "fac-simile" da chancela reduzida; é um dos elementos acessórios de autenticação, podendo ser impressa na mesma cor da moldura e dos motivos principais ou em cores diferentes.
15- Perfuração de espécime: o termo espécime é uma designação genérica que engloba todos os modelos de notas destinadas a servirem de termo de comparação com as notas emitidas; podem ser de diversos tipos, consoante se destinem ao arquivo do fabricante, para dar conhecimento às filiais, bancos, autoridades emissoras mundiais e à Interpol, das características da chapa de uma nova emissão ou ainda para dar conhecimento da mudança de algum dos elementos de autenticação de uma mesma chapa.
16- Numeração: elemento de identificação individual e de controlo da emissão.
17- Cartela com dístico (fabricante).
Fundos de segurança:
18- Indicação numérica do valor.
19- Arabescos: ornamentos geometricamente entrelaçados à maneira do estilo árabe.

Nenhum comentário: